quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Filósofo do Mês: Wittgenstein



No trecho abaixo, extraído do livro "Investigações Filosóficas", o filósofo austríaco desenvolve o conceito de 'jogos de linguagem', mostrando que a tarefa da filosofia é romper com toda superstição que a linguagem possa engendrar, deixando de lado a busca de uma essencia que a linguagem tenha, e ao invés disso buscando um entendimento de como ela funciona.A linguagem tem múltiplas e variadas funções práticas que são verdadeira formas de vida, o que poderia-se inferir que o que chamamos de linguagem é um conjunto de "jogos de linguagem".





"A questão 'o que realmente uma palavra?' é análoga a 'o que é uma figura de xadrez?'. Era certo dizer que nossas considerações não deviam ser considerações científicas. A experiência ' de que isto ou aquilo possa ser pensado contra nosso preconceito' - o que quer que isso signifique - não podia nos interessar.(A concepção peneumática do pensamento.)E não devemos construir nenhuma espécia de teoria. Não deve haver nada de hipotético nas nossas considerações. Toda elucidação deve desaparecer e ser substituída apenas por descrição. E esta descrição recebe sua luz, isto é, sua finalidade, dos problemas filosóficos. Estes problemas não são empíricos, mas são resolvidos por meio de um exame do trabalho de nossa linguagem e de tal modo que este seja reconhecido: contra o impulso de mal compreendê-lo. Os problemas são resolvidos não pelo acúmulo de novas experiências, mas pela combinação do que é já há muito tempo conhecido. A filosofia é uma luta contra o enfeitiçamento do nosso entendimento pelos meios de nossa linguagem. 'A linguagem (ou pensamento) é algo único' - isto se revela como uma superstição (não erro!) produzida mesmo por ilusões gramaticais. E sobre essas ilusões, sobre esses problemas é que recai o pathos. Os problemas que nascem de uma má interpretação de nossas formas lingüisticas têm o caráter da profundidade. São inquietações profundas; estão enraizadas tão profundamente em nós quanto as formas de nossa linguagem, e sua importãncia é tão grande como a denossa linguagem."(Investigações Filosóficas §109, §110, § 111)

Um comentário:

Lucas Rogério disse...

eae professor tranquiloooo eu sou o lucas do primeiroo d .. flw eu já fiz esse negocios ai das perguntas !!!! flw .